CONTATO

E-MAIL: ventosulazul@gmail.com

Autocrítica - via blog Assis Azul


Coisa do ser humano, quando estamos de barriga cheia, satisfeitos, costumamos achar defeito, desfazer, desmerecer. É aquela sensação de que nada mais pode acontecer, então vou me esbaldar!!! 

No começo de abril estávamos desacreditados, desaminados e não se esperava uma melhor sorte para nossa equipe, pau na diretoria, técnico e jogadores, coisa já esperada... As coisas mudaram, aconteceu uma correção de rota que lembraremos por muito tempo! A alegria e o mérito pela vitória se passou muito rápido, deixamos de curtir o bom momento muito prematuramente, são 10 jogos de invencibilidade, com novos personagens escrevendo dias de glória na Ressacada (Hemerson Maria, Cleber Santana), e estamos desperdiçando tempo demais com questões de bastidores que só provocam desavença entre nossos pares e discussões acaloradas que produzem absolutamente nada, eu disse nada!

Se perde um tempão e uma guerra de conceitos, verdades, mentirar...
Enquanto isso...
...os protagonistas das questões exaustivamente debatidas seguem comendo camarão na Toca da Garoupa e CAGANDO, para isso tudo...

Nós somos uns trouxas... 

Cada vez mais recebemos feedbacks de todos os lados que nossa produção nos blogs é observada e considerada, é uma pena que grande parte do que se produz se perde em ataques pessoais, troca de acusações e dissabores internos. Se não tenho assunto, simplesmente não escrevo, não estou nenhum pouco preocupado com a posição da  meu sidebar...

O retorno da mística

Ontem, assistindo ao jogo do Santos, um jugo murrinha e com pouquíssimas chances de gol, "eis" que Muricy Ramalho seleciona o lateral esquerdo, Léo, faz uma troca de 6 por meia dúzia, tirando o também lateral esquerdo, Juan, isso já aos 32' do 2º tempo.

O comentarista vem e toca mais ou menos assim: "Léo vem de lesão, já tem 34 anos, mas toda a sua mística, a sua história dentro do Santos, e sua identificação com o clube podem fazer a diferença nesse final de partida." Como um Oráculo, as previsões do profissional da FOX Sports se concretizaram. Léo mudou a história do jogo, e o Santos está na semi-final.

Por que fiz essa introdução? Para dizer que o retorno do nosso "Iluminado" pode sim contribuir - e muito - nessa jornada rumo à Elite do futebol nacional. Se o Evando fizer 50% do que fez em 2008, sua contratação já valerá demais. Tenho certeza que vontade ele tem de sobra pra encerrar com chave de ouro sua carreira. Espero que possamos, junto com o Evando, celebrar no final de 2012 muitas conquistas!

Torcendo no 0 x 0

Semana que vem teremos um jogo muito importante para as nossas pretensões de Série A. Trata-se de um duelo complicado no estádio Nazarenão, situado em uma cidade próxima à capital, Natal.

No ano passado tive o prazer de conhecer a capital Potiguar. Cidade belíssima, limpa, organizada e barata (ainda). Vi muitas camisas do ABC por lá, passei na frente do estádio Frasqueirão, que poderia se chamar Fiasqueirão, coisa feia.

O América veio da Série C do ano passado, ficando em 4º lugar. O time pouco conheço, exceção ao goleiro Galatto, com passagens por Grêmio e Atlético/PR. Porém, nada com que devamos nos preocupar ao ponto de temer o adversário. Temos que nos preparar para ir pra cima, buscar a vitória, com a organização defensiva do último jogo contra o São Caetano.

No mais, temos que exercitar nossa paciência e, assim como disse o Técnico, Hemerson Maria, em sua coletiva, que os jogadores teriam que se acostumar a jogar no zero a zero, nós também temos que nos acostumar a torcer no zero a zero, sem passar intranquilidade para o campo.

Prova do resultado dessa paciência está nesse gol épico do iluminado (que ao que parece está voltando), que aos 44' do 2º tempo praticamente decretou nosso acesso em 2008.

 

Abraços!

Justa vitória

Impressiona a união e a garra com que joga esse time do Avaí. Um grupo que nitidamente está fechado entre eles e o Treinador, Hemerson Maria. Nem mesmo a referência do time, Cléber Santana, se coloca em um pedestal ou algo do gênero, tendo em vista ser o grande craque desse elenco. Marca junto com todos e não se exime de sua responsabilidade tática.

Foto: Flávio Neves
Sobre o jogo de ontem, a vitória foi mais do que merecida. Porém, ficou evidente que as contratações precisam chegar muito rápido. Não temos ataque, e muito menos uma saída com velocidade quando roubamos a bola. Vi ontem que quem tem essa função de puxar o ataque é o Felipe Alves, mas não tem todo esse pique para fazer isso. Aélson, a quem teci elogios, ontem foi muito mal. Foi muito boa a substituição feita pelo Treinador. Pirão rendeu mais no segundo tempo, apesar não ter feito uma partida brilhante. Perdeu bolas simples, coisa que não pode se repetir em outros jogos decisivos. A dupla de zaga está rasgando. Um entrosamento muito legal entre os dois, que dá uma segurança ao torcedor.

Agora é mirar mais pontos lá no Rio Grande do Norte. As contratações precisam chegar muito rápido, o time está com o mais importante, que é a união e a vontade de vencer. Com as peças certas (pra mim, dois atacantes e dois meias de velocidade) não tenho dúvidas que estaremos até o final nesse G4.

Pra fechar, o único ponto negativo foi a presença da torcida. Uma pena que só 4.500 torcedores tenham ido ver o mais vezes campeão de Santa Catarina.

Abraços.

Lugar de torcedor hoje é na Ressacada!

Hoje tem jogo na Ressacada, e lugar avaiano hoje é no sul da ilha. Não há argumento que tire o torcedor desse jogo de hoje. O time do Avaí é motivo de orgulho para a torcida. Ganhou duas vezes de forma espetacular no nosso maior rival, nos trazendo três canecos (a Taça definitiva, a taça de 2012 e a nova taça para o próximo triênio) e jogando com salários atrasados. Mal ou bem, acreditem ou não, jogaram sim pela camisa avaiana. Além disso, depois de uma conturbada semana, foram para Varginha, naquele campo horroroso, e mais uma vez mostraram hombridade e vergonha na cara. Jogaram com categoria, e a vitória não veio pela ausência de peças de maior qualidade, mas na minha opinião mais pela cagada daquele golaço do que qualquer outro motivo.

Como bem disse o blog Assis Azul, reproduzido pelo saudoso André Tarnowski, sempre que a torcida azurra entoou com firmeza os cânticos de apoio ao Azul & Branco de Santa Catarina, ficamos mais fortes e confiantes para alcançar os objetivos.

O time está armado pelo nosso Técnico. Vamos com o que temos. Gostaria que as contratações já estivessem sendo ventiladas, mas nada por enquanto. Porém, isso não pode tirar o torcedor da Ressacada hoje. Temos uma decisão contra o São Caetano, e se o time e torcida assim encararem, a vitória é muito palpável.

Até logo mais!!!

Nosso próximo adversário

Amanhã teremos um jogo decisivo, assim como serão todas 37 rodadas restantes. Um duelo para confirmar três pontos na tábua de classificação, se nossa pretensão é brigar pelo acesso.

Nosso adversário perdeu em casa para o Asa. Vem mordido e com a intenção de recuperar a pontuação perdida dentro de seus domínios. Nosso Técnico terá problemas pela frente, especialmente pela falta de jogadores no elenco que possa suprir as ausências de amanhã. Nunes, ainda que não seja a "menina dos olhos", é indispensável. Por mais esforçado que sejam Capixaba e Laércio, não tem condições de serem titulares do Avaí. E preocupa não ter aparecido nenhum reforço até o momento.

No time deles, está o lateral Daniel, que quando por aqui passou, não deixou saudades. Também está o dançarino de Axé, Gabriel, outra madeira de dar em doido, além do artilheiro dos gols contra, Révson. Também está o com passagem pelo alvinegroesverdeado, Thiago Silvy.



Não vi nenhum jogo do São Caetano, mas não me parece um time tão fraco. É preciso ter cuidado, e mais uma vez muita raça e disposição. Além dos reforços! Alô, Diretoria! Cadê os nomes?

Bom empate

Impossibilitado que estive de comentar o empate de ontem, sou obrigado a manifestar a opinião do blog depois de algumas opiniões bem divergentes, possíveis de ver com mais intensidade ontem no Twitter logo depois do final do jogo.

Bem, pra ser direto, achei o empate bom. Primeiro, pelo ponto trazido de um jogo disputado fora dos domínios azurras. Segundo, pelo horror do gramado, uma coisa medonha, parecia um concreto. Terceiro, pelas circunstâncias fortemente desfavoráveis depois do empate do time mineiro. Nunca mais aquele cabelo de  "Restart" vai colocar aquela bola na gaveta e com aquela força como ele fez ontem. Aquele gol alterou o panorama do jogo, fez com que o time do BOA inflasse de uma forma que aproveitou a falta de fôlego avaiano.

É claro que não sou tanso de desconsiderar o fato de que o BOA pareceu frágil, e que a vitória era um resultado mais do que previsível. Porém, prefiro a postura do "pezinho no chão". 10 em cada 10 avaianos entendiam que o time precisava de reforços. Agora queriam que fossemos para Minas Gerais e atropelássemos o BOA? E se o jogo fosse em Criciúma, com um time que não se classificou para as fases finais, e tivéssemos empatado no Sul? Estaríamos reclamando? Sei lá, acho que o empate foi bom pelo que eu escrevi aí em cima.

Com dois meias e dois atacantes, não tenho nenhuma dúvida de que brigaremos no topo desse campeonato. Agora é jogar com tudo na terça e e buscar a vitória. Nesse ritmo, ganhando em casa e buscando pontos fora, estaremos bem. Mas os reforços são urgentes.

Jornada para o retorno

Ontem vi com bastante calma a entrevista do Leandro Silva, que está disponível no site do Infoesporte. Confesso que estava bastante preocupado com a repercussão que a mudança de dirigente teria causado no ambiente interno do grupo azurra. O tuiteiro, Nunes, chegou a publicar uma mensagem de apoio ao Carlos Arini.

No entanto, ao final do vídeo, fiquei mais calmo. Transparecendo um aspecto sereno, o capitão, quando perguntando sobre a tão falda "parceria", mostrou-se consciente dos "benefícios" que ela pode trazer à empresa Avaí. Vejam que coloquei entre aspas as expressões, pois não há como saber desses benefícios, porque até agora só sabemos do aporte financeiro, sem saber ao certo a contrapartida avaiana.

Também perguntei (pelo Twitter) aos setoristas que cobrem o dia-a-dia do Avaí sobre o ambiente de trabalho. Todos (Janiter Decordes e Edu Fernandes) responderem que o clima é tranquilo e que o time está focado na vitória amanhã. Isso acalmou um pouco, porém penso que todo esse furdunço jogou um peso no time, que se não vencer amanhã, já vão surgir diversos boatos sobre "corpo mole" e outras expressões já manjadas.

De tudo o que foi dito, só espero amanhã, ali pelas 18, poder abrir tranquilamente uma BOA gelada para celebrar mais um triunfo Azul & Branco.

A história de um "mascote"


Zunino e a parceria - Diário Catarinense




O futuro do Avaí está ligado a um grupo de investidores europeu que firmou acordo com o clube e trouxe Marcelinho Paulista para comandar o departamento de futebol. O novo parceiro terá como função principal dar suporte financeiro ao Leão e garantir melhores condições estruturais para a equipe. 


Por enquanto, o nome do grupo é mantido em sigilo. Sabe-se apenas que se trata de investidores ainda pouco conhecidos no país e que planejam expandir suas marcas de forma gradual no mercado brasileiro. Por isso, eles escolheram o time catarinense, que hoje disputa a Série B, mas tem potencial para voltar à divisão de elite do Brasileiro. 

Os recursos irão ajudar, entre outras coisas, a manter jogadores importantes como o meia Cleber Santana, principal jogador da equipe. Segundo o presidente João Nilson Zunino, a parceria foi fechada a pouco tempo e ainda não está definido quando será divulgada. 

Diferente do que se especula, o dirigente garantiu apenas que o grupo não vai interferir no departamento de futebol e indicar contratações. O que poderá haver é uma aproximação com outros investidores como o Grupo Sonda, que tem jogadores em diferentes times do país. 

— O Avaí quer ser dono do próprio nariz, da sua gestão, mas procura alternativas de receitas e suporte para cobrir os altos custos que tem no Brasileiro — ressaltou Zunino. 
Para compensar o investimento estrangeiro, que promete ser forte, o Avaí planeja fazer ações de marketing direcionadas em prol do grupo, com a divulgação da marca em placas de publicidade no Estádio da Ressacada, nos uniformes, entre outras.

Sobre a saída do gerente de futebol Carlos Arini, Zunino disse que ele era uma das poucas pessoas que tinha conhecimento das tratativas. Há cerca de um mês, o presidente do Avaí comunicou Arini sobre a parceria e que ele poderia ser dispensado caso o negócio fosse fechado. Foi o que aconteceu. Ao firmar a parceria com o grupo estrangeiro, Marcelinho Paulista foi indicado para ocupar o cargo e Arini demitido. 

— O Arini sempre foi um cara de confiança, gosto muito do trabalho dele. Mostrou competência no período em que esteve aqui, mas sabia que isso poderia acontecer. Naturalmente, eu não falei porque não estou aqui para pisotear ninguém e porque acreditava no trabalho dele. Mas não foi surpresa alguma — ressaltou. 

Arini confirmou que foi avisado por Zunino sobre as tratativas, só não esperava ser dispensado tão rapidamente e após a conquista de um título. Ficou chateado, mas não criticou o presidente. 

— Sou muito grato ao Zunino, ele foi correto comigo e não vou polemizar. Apenas achei que a decisão foi bastante rápida. A tinta ainda estava fresca — ironizou. 

Entrevista
João Nilson Zunino, presidente do Avaí 

Diário Catarinense — Qual será o papel do novo parceiro na sua gestão? 
João Nilson Zunino — Eles não vão colocar jogadores aqui dentro. Tudo o que eles querem é saber se a administração está sendo bem-feita para ver a sua marca bem apresentada. Não tem nada a ver com contratação, apenas com receita para o clube. A contrapartida do Avaí é a divulgação da marca que eles indicarem em camisas, no estádio, etc. Mas isso não vai ocorrer neste ano. 

DC — O Avaí tentou firmar com o Corinthians ou o Grupo Sonda? 
Zunino — Não tem nada disso. O que existe é um tipo de parceria muito superior com esse grupo europeu que está se ligando ao Avaí, principalmente no ano que vem, para usar as propriedades que temos e difundir a sua marca. Isso é o que eu posso dizer. Não temos nada assinado com o Sonda, mas é lógico que se trata de um grupo que investe no futebol e pode, sim, nos ajudar também. 

DC — A reação dos jogadores após o anúncio da saída do Carlos Arini foi emblemática. Como o senhor interpretou àquela atitude? 
Zunino — Os jogadores foram solidários ao Arini, o que é compreensível, mas infelizes ao se manifestar. Eu ia conversar com eles antes da entrevista coletiva (do Marcelinho Paulista), só que como não podiam me atender, eu acabei apresentando o Marcelinho antes. Me surpreendeu a atitude e foi constrangedor. Depois nós conversamos e tudo ficou bem claro e resolvido. 

DC — Como o senhor interpretou a declaração do meia Cleber Santana, que disse ter recebido a sua garantia de que o Arini permaneceria no cargo? 
Zunino — Não quero entrar em polêmica. O Cleber, além de grande jogador, excelente caráter e personalidade, em momento algum mostrou insubordinação. Quando eu conversei com o Cleber, disse para ele que o Arini era uma pessoa muito competente e meu amigo e aí ele interpretou que ele também não sairia após o campeonato. O que houve é que nós dois nos comunicamos mal. Ele não quis inverter nada. 

DC — Com a nova parceira e a injeção de recursos, como deve ser o futuro do Avaí? 
Zunino — O futuro do Avaí é na Série A do Brasileiro. Para isso, vamos manter o Cleber Santana e reforçar o grupo com mais alguns jogadores. Muitos especialistas em futebol disseram, no início do Estadual, que não tínhamos um grupo de qualidade. No máximo, um jogador poderia se salvar. Não é o que pensávamos e hoje tenho certeza que a visão deles mudou. Temos o melhor elenco do futebol catarinense. Mas a Série B é uma competição complicada e precisamos de mais jogadores.

A reportagem é de Jean Balbinotti. Para mais, clique aqui.

Em cima do adversário

Dando uma "fuçada" nas informações do nosso próximo adversário, é possível constatar que o BOA Esporte Clube não é um adversário de botar medo, mas também não é assim pra chegar como se fosse Milan contra Caçadorense.

Não dá pra negar que o Campeonato Mineiro é um torneio onde gira mais dinheiro do que o Catarinense. Isso acaba repercutindo diretamente no caixa do clube das Minas Gerais. Porém, o time não joga desde 15 de abril, quando encerrou sua participação no Campeonato Mineiro. Recentemente, no dia 13 de maio, o BOA fez um jogo treino com o Nacional de Nova Serrana, que se prepara para jogar a série D. Não há no site oficial informação sobre o resultado desse jogo. No campeonato Mineiro, o BOA perdeu para o mesmo Nova Serrana, e terminou o campeonato na 8ª posição.
Estádio do Melão

A Coruja Mineira (mascote do BOA) tem como casa o Estádio do Melão, e na série B de 2011 registrou média de público superior a 3.000 torcedores por partida, ultrapassando alguns times de tradição como o Guarani/SP.

Recentemente, o time de Varginha, comandada pelo Técnico Sidney Junior se reforçou, contratando o meia Francismar, ex-Cruzeiro, o atacante Marcelo Macedo, ex-Mogi Mirim, os atacantes Moisés, Vanger do Horizonte/SP e Serginho, do Red Bull/SP, e o volante Vanderlei, também do Horizonte.

A boa notícia é que a zaga do BOA é composta pelo "madeira de dar em doido", Weeeellllton Felipe.

Acredito que, superadas as controvérsias de ontem, o Avaí pode trazer os três pontos. A depender, logicamente, de uma disposição semelhante a que vimos nas finais do Catarinense.

Pê de Parceria? Pê de Português, Mané! - Infoesporte


Você consegue imaginar até onde as coisas podem piorar?
Se já é estarrecedora a notícia proferida oralmente pelo presidente João Nilson Zunino que, sem dinheiro, se viu obrigado por uma imposição de parceiros a trocar a gerência de futebol de um time campeão, se prepare para o que vem a seguir – e vem de Portugal.
- o texto a seguir não tem força de matéria e por isso está aqui no Blog da Redação, mas quem viver verá -
Há muito mais do que pensamos por trás deste movimento “salvador” dos bolsos avaianos.
A parte boa, todos já sabemos: foi com esse dinheiro que o salário dos jogadores foi quitado (após o primeiro Clássico da Final) e que os salários dos funcionários foram pagos no início desta semana – mas convenhamos, atraso de salário no Avaí não é algo novo e vem ocorrendo, no mínimo, desde julho de 2011 sistematicamente.
Mas o que isso significa? Significa, de imediato, que alguém se comprometeu financeiramente e quem se compromete quer retorno. Assinatura? Disse o presidente João Nilson Zunino para mim que não há. Esse é um problema para o Conselho Deliberativo do clube cuidar.
Saiu Arini, jogadores ficaram magoados, jogadores – alguns – ligaram para seus empresários dizendo que querem sair. Episódio pequeno, minúsculo, perto do que virá de Portugal.
Lembram do Quinto do Ouro? Lembram? Ê Portugal, porque vens agora destruir o sonho vencedor dos avaianos manés?
Um grupo europeu colocará (e já teriam começado a colocar) no Avaí aproximados 35 milhões de Euros nos próximos três anos. Três anos. 35 milhões. Aproximados 12 milhões por ano de apenas uma fonte. Uau! De quanto foi mesmo o faturamento de 2011?
Hummm…
Tudo tão doce, não? Quem está sentindo um frio na barriga, levante a mão.
Há uma exigência!
Não! Não é o Marcelinho Paulista. Quer dizer, também, mas a faca na garganta é a de dois gumes – ou seriam duas facas?
E os HEmersons já sabem dela
Em partes.
Não gostaram, mas não imaginam o que está por vir.
Ah o português…
Um português fará parte da comissão técnica.
Não gostaram, mas o patrão mandou…
35 milhões de Euros em três anos. Por aí, próximo disso, tanto faz.
O que importa é a tal da exigência.
Que os HEmersons não sabem, claro.
A exigência que vem para destruir o sonho mané – o lado azul dele, outra vez, claro.
Obscuro!
Esse português…
Ele quer ser, oras pois, treinador de futebol!
T-r-e-i-n-a-d-o-r d-e f-u-t-e-b-o-l
Um menino rico, de bons amigos ricos, que quer ser treinador de futebol.
Perambulou pelo interior de São Paulo com essa proposta pela manga, acenando aos quatro ventos que tinha um sonho
Mas, poxa vida, oh céus, não lhe deram o devido crédito!
Pior!
Não lhe VENDERAM o crédito!
Mas no Sul da Ilha, houve quem lhe desse ouvidos, quem lhe desse a mão,
Quem lhe desse o que é de outro…
Mané!
Quem? Ele? Eu? Nós, vós, eles?
Somos todos manés!
Todos.
Piada de português?
Avião Russo?
Mais uma para a lenda dos Carianos?
Quem viver verá.
E com sotaque carregado nos esses que soarão como xis.
Xi…
Obs: E o grupo Sonda com seu Dis Esportes? E o Maguila? Isso é coadjuvante.
Esse Marcelinho Paulista, heim? Danado!

O texto é de Filipe Calmon. Para mais, clique aqui.

Parceria estrangeira


Os mistérios da equação que fez o grupo de jogadores do Avaí, de uma aparente rebelião voltarem tranquilos e solidários, junto ao presidente João Nilson Zunino, começam a ficar mais claros. O repórter Jean Balbinotti passou o dia de hoje desvendando os bastidores e montando o quebra-cabeça, decifrando a equação.
E a saída de Carlito Arini tinha um propósito bastante definido. Na realidade, o Avaí, como apurou Jean, está acertado com uma parceria, um investidor, que tem sua base de negócios na Europa.
Não entro em detalhes, porque muito do que aconteceu nos bastidores e também tudo que está por vir você lerá amanhã nas páginas do DC. E aqui, também.
Mas o objetivo é ter um aporte financeiro que permita ao clube, num futuro, quando retornar à Série A, poder manter-se. E também seguir nos projetos que envolvem o crescimento do clube como instituição, o complexo no entorno da Ressacada e o crescimento nos investimentos das categorias de base.

O texto é do Castiel. Para mais, clique aqui.

É Zunino...


Leandro Silva:
- Da mesma maneira que ele foi pego de surpresa nós também fomos pegos de surpresa. Até ontem, era tudo festa. Encontrei o Carlito numa loja experimentando blazer e dizendo que se encontraria na festa. Hoje pela manhã, minha esposa é que me deu a notícia de que ele havia sido dispensado. A melhor maneira de nós representarmos a nossa indignação por um cara que sempre tomou frente do grupo, sempre nos protegeu, sempre tudo o que nos foi dito aconteceu, não tinha outra maneira do que a gente se reunir e pedir ao presidente a permanência dele. Nós temos que mostrar de alguma maneira que nós estamos fechados com o Carlito e que, por tudo o que nós passamos no campeonato, ele estava do nosso lado. Agora é a hora do grupo mostrar que está do lado dele.
Cléber Santana:
- Presidente, a gente estava conversando entre os jogadores. É aquela coisa do grupo. Eu tive uma conversa com o senhor há uns 20 dias e o senhor me passou algumas situações. Nós todos estamos com o Carlito perguntando ao senhor. Ficamos tristes. Eu fiquei sabendo hoje quando acordei. Todos foram pegos de surpresa. A gente quer fazer esse pedido ao senhor da permanência do Carlito como o senhor havia me falado que já tinha conversado com o Marcelinho e com o investidor que o Carlito ficaria junto com quem viesse. Queremos fazer esse pedido ao senhor para que ele permaneça conosco porque ele está com a gente desde o começo. É um cara que nos ajudou bastante. Tudo o que prometia foi cumprido, um cara honesto, de caráter que dispensa comentários, espetacular. Todo jogador queria fazer esse pedido ao senhor. Se tem essa possibilidade, esse é o pedido nosso - encerrou o Craque do Campeonato Catarinense.

É, Zunino... E agora, como desatar esse nó heim??? Aliás, um nó cego que você mesmo deu.

O que o Estatuto diz

Não me conformo com a falta de tudo que vi ontem naquela vergonhosa coletiva, onde o Presidente foi "prenssado" na parede pelos jogadores, depois de ter prometido X, e ter entregue X - 1.

Também não me conformo com as ataduras que limitam todos nós de, pelo menos, colocar um vento nessa bonança em que navega o Presidente. Por isso, dei uma lida no Estatuto do Clube (clique aqui), e vi o seguinte:

- Nós, sócios do Avaí, somos classificados como Sócio Contribuinte (art. 15);

- A Assembleia Geral é um poder dentro da estrutura do Avaí (art. 38, "a");

- 1/5 dos sócios em situação regular, maiores de 18 anos de idade e com pelo menos 1 ano de filiação podem convocá-la (art. 39) de forma extraordinária (art. 40, §2º);

- É de competência exclusiva da Assembleia Geral a destituição de membros da Presidência e dos demais membros da Diretoria, assegurado o direito de defesa (art. 41, "e"), na hipótese de inobservância das obrigações estatutárias.

Eu não sei por que motivo as coisas tem transcorrido de forma turbulenta mesmo depois de um título histórico, mas de turbulento nada tem o mar de almirante no qual navega a Diretoria Executiva. É preciso algo, a torcida é tão organizada para apoiar o time, será que algo nessa linha é possível de se imaginar?

Confesso que compartilho do sentimento do blog Elite Azul & Branca. Os blog's deveriam tratar mais de futebol, é isso que é divertido, é por isso que gostamos de futebol. No entanto, estamos a um tempão discutindo mancadas que nem o mais neófito dos neófitos praticaria.

A pancada ontem foi forte. Ainda estou desnorteado.

Quais serão as consequências?

Depois do King King do Zunino ontem (que vergonha), com a pressão feita pelo elenco de jogadores, e lendo muita coisa sobre o assunto em tela, só posso concluir que, ainda que não seja novidade para ninguém, estamos literalmente na lama financeira e Zunino não está mais afim de abrir seu bolso (ainda que tenha feito esse ano de novo).

Nada de oficial. Nenhum dedão em qualquer contrato. Já começou errado. Como bem tocou o Felipe Mattos do Blgo Memória Avaiana, é hora do Conselho Deliberativo expedir um Edital e convocar uma Reunião Extraordinária.

Esse apoio ao Marcelinho Paulista, externado pelo zagueiro Leandro Silva, foi totalmente estéril e sem sinceridade. No futebol tem algo que não existe perdão, e tal leva o nome de TRAÍRA. Foi assim que se posicionou o Presidente em relação ao elenco. O que foi conversado depois do maior papelão que eu já vi eu não sei. Os efeitos dessa mudança unilateral veremos já no sábado, contra o BOA. Se formos mal, pode começar a contratar uns 15 jogadores, porque esses que aí estão não vão correr. Se formos bem, confirma a tese de que se trata do elenco mais profissional da história do Avaí, e é aí que o Zunino, rei das cagadas, se torna um grande cagão. Mesmo fazendo muita M..., ainda teria a sorte de um elenco resolver atuar esquecendo a falta de verdade do Mandatário Avaiano.

Vamos aguardar as cenas do próximo capítulo, pois digerir aquelas cenas de ontem está muito difícil.

Cenas de horror na Ressacada

Acabo de assistir pela Twitcam do jornalista, Janiter Decordes, a cena mais lamentável que já presenciei envolvendo o Avaí Futebol Clube. Acho que nem nas épocas de Adolfo Konder existiu cena tão patética e humilhante para a instituição.

Quando o presidente foi questionado pelo repórter, Alisson Francisco, Zunino respondeu com extrema grosseria. Aliás, não respondeu. Limitou-se a dizer que o jornalista era complicado.

Gostaria de saber o que Zunino disse quando os jogadores fizeram a mesma pergunta. Que papelão histórico protagonizado pelo Chefe do Executivo Avaiano. Mostrou uma inabilidade extrema. Decidiu trocar o Gerente de Futebol sem consultar um elenco campeão. Que é isso?????????

Beira as raias do aquém do amadorismo. Zunino não pode mais mandar e desmandar do jeito que está fazendo. Novidades surgirão. Vamos aguardar.

Medo

A palavra "medo", por si só, é auto-explicativa. Teme-se algo que não se conhece, ou por não existir ou por não ter acontecido.

É exatamente esse o sentimento que toma conta da torcida avaiana com as especulações da saída de Carlito Arini do Departamento de Futebol do Avaí. Não que o alcunhado "Faustão da Ressacada" fosse um fenômeno de Dirigente, nem de longe. Ocorre que a situação se agrava com os nomes que "pipocam" com a abertura da vaga nesse setor estrutural do clube.

"Maguila" é odiado por aqui, e Marcelinho Paulista por lá. Seriam esses os nomes fortes para a responsabilidade de levaram o Leão, o mais vezes campeão, de volta à série A???

Essas "confidencialidades" ditas pelo Presidente Zunino não são apropriadas para o momento de exaltação e de extrema motivação para o primeiro jogo do Nacional. É de suma importância que se diga o porte dessa parceria e as implicações para o clube. Torço para que sejam positivas, de coração. E que esses medos se dissipem na sua própria falta de realismo. Assim eu espero...

Zunino confirma parceria


Bomba. E pelo visto não é das boas. Só espero que o Maguila não volte a contratar. Senão...

Para mais, clique aqui.

Retorno aos trabalhos

O craque!
Segundo o próprio Hemerson Maria, hoje o elenco retorna os trabalhos para o restante do ano, e acredito, o maior objeto de 2012: o retorno à elite do futebol nacional.

Gostaria de ver alguns nomes já circulando. Ontem a entrevista do Carlito Arini no Jogo Aberto SC foi muito seca, e aparentou não haver ninguém engatilhado. Sei que as contratações devem vir de forma cirúrgica. A precisão na escolha é fundamental, mas seria bom já ter alguém em vista.

Sobre o Marquinhos Santos, o repórter Janiter Decordes disse ontem que não há nada de concreto, e que o jogador, além de não ter recebido nenhuma proposta, também não está disposto a reduzir o salário. Acho que a volta dele está difícil.


Sobre o prêmio Top da Bola, gostei em sua maioria, especialmente pela confirmação de Cléber Santana como craque do campeonato, mas não concordei com a escolha de Guilherme Santos e Túlio do time esverdeado. É muita demagogia pro meu gosto. Além disso, o modelo organizacional do futebol catarinense boicotou a festa do Torneio, não enviando nenhum representante, a não ser o goleiro deles, Wilson, que merece meu respeito. Que papelão, uma pobreza de espírito desmedida. Será que o cabo eleitoral do Presidente deles, o Paulo Branchi, vai fazer mais uma calorosa defesa hoje? Aguardemos!

A desculpa é a muleta

Se tem um argumento estúpido, capitaneado por diversos profissionais da imprensa, é essa de que o Regulamento é injusto. Como assim????

Todos entraram dentro do campeonato sabendo das regras do Torneio. Dizer que os esverdeados ganharam dois turnos e isso os tornaria campeões é uma falácia. Primeiro por que todos os times encarariam o campeonato de outra maneira na hipótese de saberem previamente que quem ganhasse dois turnos levaria o caneco direto. Como o campeonato previa semi-finais e classificação por índice técnico, a estratégia dos clubes era estar na fase final. Quem ganhasse os turnos teria um bônus. Ponto.

E todo esse alarde está sendo feito porque o time favorito da imprensa teve que jogar uma final com o Avaí. Parem com essa choradeira, parecem o Fernandes, que coisa horrorosa. E admitam, de forma sincera, que o Avaí é o legítimo campeão. Chega!


COMPLEMENTO! Retirado do blog www.meufigueira.com.br, com a torcida deles falando:



Título incontestável


Sonho Realizado: chiqueiro esvaziando
antes do apito final.

Como o leitor pode ver no post abaixo, o blogueiro já sabia que a vitória avaiana era a lógica do futebol. Esse esporte que é impoderável em sua grande parte, no caso de ontem não deixou espaços para surpresas.
  
O Avaí foi soberbo na qualidade do jogo, ao contrário da soberba da Diretoria, Comissão Técnica e jogadores esverdeados. Difícil apontar o melhor em campo, mas na minha opinião, Pirão foi o destaque do jogo. Foi perfeito no posicionamento, nos passes, fez bons cruzamentos, se esquecer o Roni e se concentrar vai fazer um Brasileiro histórico.
A zaga foi fantástica. Renato Santos (alô Anderson) e Leandro Silva foram quase perfeitos. Este último falhou no gol deles, mas vou creditar mais ao relaxamento pelo título na mão do que propriamente a um erro técnico.

Robinho foi muito bem, marcou, deu carrinho, passes bons, merece elogio. Cléber Santana foi mais uma vez o maestro, e Patric também foi bem, mas deu muito espaço para o lateral esquerdo deles, coisa que o grande vitorioso, Hemerson Maria, precisa corrigir para o Nacional.

O grande vencedor: Hemerson Maria
Enfim, o jogo foi histórico, é o segundo título que o Leão comemora no estádio deles. Eu tive o prazer de estar lá e ver o show de bola que o Avaí deu. O título foi merecido demais, mas vamos manter nossa postura, cientes de que, garantido o primeiro semestre, vem agora o que realmente importa, que é a Série B. Precisamos de reforços que nos alcem ao patamar de sério candidato ao acesso. E por que não ao título?

Hoje tô nojento!

Abraços e saudações do mais vezes campeão!

Carreata, grito de guerra e jogo

Acabo de chegar do final da carreata da torcida do Avaí. Coisa linda, de torcida diferenciada, apaixonada, e que prova a cada ato ser a mais maior, fiel e fanática de Santa Catarina.

Muita gente mesmo, acredito que umas duas mil pessoas se aglomeraram na frente do saguão do Mercure ali no Itacorubi. Com cantos de guerra e com um discurso emocionante do @tvblogueiro, pedindo Raça e Raça para os jogadores, que acompanhavam da janela de seus quartos, a massa azul e branca mostra que em termos de torcida não tem comparação. Não precisa todos os canais de TV repetirem 300 vezes uma entrevista pedindo pelo amor de Deus pra torcida ir no treino.

Sobre o jogo de amanhã, posso errar, o que acho difícil, mas o ambiente, o clima, e o padrão de jogo de uma semana para cá não vão desaparecer de uma hora para outra. Os jogadores estão concentrados para a decisão, o técnico, Hemerson Maria, fez bem ao fechar os treinos. Ao invés de ficar se motivando, como fizeram os do estreito, o Avaí trabalhou forte, ajustou o elenco para evitar falhas e de brinde ganharam esse plus de energia da maior e mais apaixonada.

Eles virão desesperados, a torcida deles estará inflamada, por isso o Avaí, organizado, deve buscar o ataque. Deve cuidar para que o ídolo deles não apareça, o que trará um peso a mais no pesado fardo com que eles já entram.

Aposto numa vitória avaiana amanhã, como já tenho dito a semana toda. Mas todo o cuidado é pouco, e como diz o Rodrigo do blog Sangue Azurra, VAI PRA CIMA DELES, LEÃO!!!

É hoje!


Sem comentários

Imagem: blog do Avaí da globo.com

Qualquer comentário não é suficiente para traduzir a montagem das imagens.

Doce veneno


Sou obrigado a acompanhar o blogueiro Rogério do Elite Azul & Branca. Ainda que o resultado expressivo do último domingo credencie bem o Avaí para o título, as colunas, noticias e post's tem exagerado um pouco sobre a definição do Campeão Catarinense de 2012.

É preciso fazer um imenso trabalho nesse time para não caírem no conto da serpente. Tudo o quanto se lê praticamente coloca o caneco na sala de troféus que leva o nome do arqueiro Adolfinho. Não é bem assim.

Está na cara que a imprensa vai trabalhar para motivar o time deles. É um produto que está à venda, e sem a emoção, a "mercadoria" perde valor. Cabe ao Avaí não entrar nesse "oba oba" do já ganhou, com bastante concentração e tranquilidade.

Também é preciso trabalhar o time para a eventualidade de sair perdendo no remendo. Eu tenho quase que convicção que vamos ganhar lá. Mas é possível que eles façam um golzinho, e não podemos desmanchar como eles fizeram aqui.

Ou seja, é uma semana onde a "blindagem" deve ocorrer ao máximo. A festa, a gozação, fica para nós. Só para nós.

Primeiro erro de arbitragem da final

Que é isso Ô ô Ô ô Ô !!!!!

Primeiro erro da arbitragem dessa final. Falta criminosa desse jogador rosado, que o Bezerrinha nem falta deu. Amarelo sairia barato. Sola voltada para cima. Se pega, racha no meio a perna do jogador avaiano.

Enquanto isso, ficaram pedindo vermelho para o Cléber Santana lá em Chapecó. É muita parcialidade.

Massacre que não pode subir à cabeça

Hemerson Maria embolou o treineiro deles
e colocou o balofo no rolete
(foto: edu Cavalvanti)
Um chocolate. Um banho. Um massacre. Um baile. Difícil encontrar um adjetivo que mais se encaixe com a realidade que os avaianos viveram ontem. O Azul & Branco tocou a bola com imensa categoria, colocou os alvinegroesverdeados na roda, o óle veio das arquibancadas desde os 15 minutos do segundo tempo. Um orgulho para nós, um vexame para eles.

Sobre o jogo, o Avaí começou bem, tomando a iniciativa da partida, principalmente pelo lado esquerdo, com Patrick, que fez excelente partida, mas não pode perder a seriedade do jogo. Em um lance no 2º tempo, quase entregou o ouro para o bandido.

Porém, o time esverdeado também era perigoso, especialmente nas costas do fraco Arlan, jogador que destoou do elenco com mais uma limitadíssima atuação.

Em um jogo onde o Avaí era melhor, mas em que tínhamos escapado de dois lances perigosíssimos do tricolor do estreito, em uma bela jogada iniciada por Patric, com a participação do destaque, Mika (melhor em campo), Nunes empurrou para as redes, e o grito ensurdecedor da galera avaiana transtornou o time deles.

Na volta do intervalo, o Avaí foi soberbo. Em 12 minutos liquidou a fatura, em uma belíssima jogada de Cléber Santana (que o arrogante Branco disse ter sido um chute errado), concluída com categoria por Felipe Alves. Depois, uma obra prima. Golaço aço aço do craque de Santa Catarina, Cléber Santana. O mãos de couve sequer saiu na foto.

Depois disso o domínio foi completo, o time foi tranquilo, e só não agarrou o caneco ontem porque Nunes não fez um gol feito. Não podia ter perdido, mas o goleiro deles teve mérito.

Agora, essa semana será muito perigosa. Todos dirão que já somos campeões e blá blá blá. Não podemos cair nessa ladainha. Clássico é clássico e vice-versa. Vimos isso ontem. É preciso trabalhar o elenco para que entendam que nada está vencido. Faltam 90 minutos de muita dificuldade. Porém, de antemão, sugiro pegar as entrevistas do Túlio e do Branco. Menosprezaram o Avaí de uma forma antiprofissional.

Eu acredito que o título está muito bem encaminhando. Mas, não se pode deixar que essa euforia passe para o time. E para finalizar, como faz o Rodrigo, do blog Sangue Azurra, VAI PRA CIMA DELES, LEÃO!